sábado, 26 de julho de 2008

DIREITO PENAL OBJETIVO E DIREITO PENAL SUBJETIVO

Direito Penal Objtivo

Direito Penal Objetivo é o conjunto de normas editadas pelo Estado, definindo crimes e contravenções, isto é, impondo ou proibindo determinadas condutas sob a ameaça de sanção ou medida de segurança, bem como todas as outras que cuidem de questões de natureza penal, v.g., excluindo o crime, isentando de pena, explicando determinados tipos penais.

O Estado, sempre atento ao princípio da legalidade, pilar fundamental de todo o Direito Penal, pode, de acordo com sua vontade política, ditar normas de conduta ou mesmo outras que sirvam para a interpretação e a aplicação do Direito Penal.

Todas essas normas que ganham vida no corpo da lei em vigor forma o que chamamos de Direito Penal Objetivo.


Direito Penal Subjetivo

Direito Penal Subjetivo, a seu turno, é a possibilidade que tem o Estado de criar e fazer cumprir suas normas, executando as decisões condenatórias proferidas pelo Poder Judiciário. É o próprio jus puniendi.

Se determinado agente praticar um fato típico, autijurídico e culpável, abre-se ao Estado o dever-poder de iniciar a persecutio criminis in judicio, visando alcançar, quando for o caso e obedecido o devido processo legal, um decreto condenatório.

Mesmo que em determinadas ações penais o Estado conceda à suposta vítima a faculdade de ingressar em juízo com uma queixa-crime, permitindo-lhe com isto, dar início a uma relação processual penal, caso o querelado venha a ser condenado, o Estado não transfere ao querelante o seu jus puniendi.

Ao particular, como se sabe, só cabe o chamado jus persequendi ou ius accusationis, ou seja, o direito de vir a juízo e pleitear a condenação de seu suposto agressor, mas não o de executar, ele mesmo, a sentença condenatória, haja vista ter sido a vigança privada abolida de nosso ordenamento jurídico.

Assim, podemos considerar o Direito Penal Objetivo e o Direito Penal Subjetivo como duas faces de uma mesma moeda. Aquele, como o conjunto de normas que, de alguma forma, cuida de matéria de natureza penal; este, como o dever-poder que tem o Esado de exercer o seu direito de punir caso as normas por ele editadas venham a ser descumpridas".

(cf. Greco, Rogério, Curso de Direito Penal, 4a. edição, Rio de Janeiro, Impetus, 2004, 7-8)

5 comentários:

milla disse...

ótimo! Me ajudou bastante. Obrigada.

Rafael disse...

poxa vida porque damasio não escreveu assim no seu livro

Unknown disse...

Kkkkkk...verdade.

Darlene Tavares da Silva disse...

Obrigado!
Esclareceu minha dúvida!.Ajudou muito.

aciara neto disse...

O equilíbrio entre o vocabulário formal e a fácil compreensão está perfeito, Dr precisamos do seu Livro.